De acordo com uma pesquisa da Gallup de 2018, o engajamento no trabalho está aumentando, mas continua sendo um dos maiores problemas para o RH, para o líder e para a empresa como um todo.

Cerca de 53% dos colaboradores se dizem satisfeitos de maneira geral, mas não se sentem emocionalmente e cognitivamente conectados com o trabalho. E sabe quanto tem custado essa falta de engajamento no trabalho para a empresa? Cerca de R$ 3.500 a mais por ano por colaborador.

No final de 2019, perguntamos aos nossos clientes qual o principal desafio para os próximos anos e encontramos um assunto em comum em todas as respostas: engajamento e retenção. Você também tem esse desafio?

Quais os motivos do baixo engajamento no trabalho?

Depois de refletir sobre o cenário que envolve essa questão, começamos a explorar os motivos. E chegamos na conclusão de que 3 itens têm grande influência no desengajamento dos colaboradores:

#1 Problemas relacionais

Uma grande fonte de sofrimento nas empresas remete aos conflitos gerados entre diferentes áreas por falta de alinhamento e colaboração.

A questão é que os conflitos, em si, não são problemas. Eles estão listados, inclusive, como uma das qualidades do livro 5 Desafios das Equipes, de Patrick Lencioni. Da mesma forma, o medo do conflito é listado como uma das cinco disfunções.

As equipes que evitam o conflito geralmente o fazem porque seus integrantes têm medo de magoar uns aos outros. O problema é que a falta do debate aberto costuma alimentar uma tensão perigosa, fazendo com que as pessoas passem a recorrer a ataques pessoais pelas costas, o que é muito mais prejudicial do que qualquer discussão focada em um problema específico.

#2 Lideranças despreparadas

A verdade é que muitos colaboradores não se demitem das empresas e sim de seus gestores. E isso acontece porque, muitas vezes, alguém de alta competência técnica assume uma posição de liderança, mas sem o preparo comportamental que esse cargo exige.

Veja só um dos relatos da pesquisa que fizemos:

“É essencial que os líderes conheçam melhor o comportamento dos profissionais, no entanto, ainda estão muito vinculados ao trabalho técnico e ao resultados. Eles têm dificuldades de dar feedback, não tem cuidado e nem preparo para exprimir as informações necessárias dos colaboradores”.”

#3 Falta de equilíbrio entre a vida pessoal e profissional

O Brasil é o país mais ansioso e estressado do mundo. São mais de 18 milhões de brasileiros diagnosticados com esses transtornos de acordo com a OMS. Isso se dá muito pela realidade que estamos vivendo: volátil, incerta, complexa e ambígua.

Além da correria diária, há desafios específicos de trabalho e pessoais que aumentam ainda mais nosso nível de estresse e ansiedade. Por exemplo, o lançamento de um novo produto ou serviço, uma importante reunião anual pela qual você está responsável, ou um filho doente em casa.

A questão é que tem faltado empatia dentro das empresas. Empatia para entender que um pai com uma criança recém nascida vai precisar sair mais cedo, ou chegar atrasado. E até mesmo perder performance durante alguns períodos. Empatia para entender que com um problema pessoal, não é possível exigir o mesmo foco e resultado de um colaborador.

Como aumentar o engajamento no trabalho?

Cada um dos itens comentados, combinados, tem gerado altas taxas de desengajamento e turnover dentro das empresas. Mas a boa notícia é que para cada problema existe uma solução! Então fique de olho em nosso próximo artigo sobre o tema, onde daremos dicas práticas para cada um dos tópicos acima.

 

Motivação no trabalho: 3 dicas para diminuir o turnover