(Por Eneida Ludgero – Consultora da PS Treinamento Empresarial)

2012 foi um ano especialmente pressionado pelo fim, aquela ideia que nada mais existirá, game over, o grande final. Encontrei, confesso minha surpresa, gente que acreditou na concretização literal da previsão Maya. Mas mesmo com as muitas tragédias, desastres e a corrupção, até aqui estamos todos a salvo dos anjos do apocalipse. Quer dizer que se alguém apostou no fim do mundo, perdeu certo? Muita calma na hora de responder essa pergunta. Acontece que o mundo acaba sempre que alguém se perde em desespero, se paralisa pelo temor e não avança por crença na ignorância. O mundo termina todos os dias com a exploração sistemática da pobreza, quando o poder fica – mesmo que temporariamente – na mão de cruéis de todas as cores ideológicas. Nos acostumar à indiferença, nos habituar à ela, transformá-la em algo rotineiro, isso é o fim do mundo. Penso que os Mayas, em sua imensa sabedoria e conhecimento, estivessem prevendo o fim do mundo que precisa encontrar seu término, que anseia terminar-se em uma reforma profunda. Uma mudança que proponha trabalho duro nos alicerces para receber uma merecida casa novinha em folha. Para isso, teremos que aceitar que o mundo como o concebemos e como o trouxemos até aqui, esse acabou, chegou ao fim. Então, por isso mesmo, é possível recomeçar. Quem sabe em 21 de dezembro de 2013 a gente olhe para traz e goste de ver o que fomos capazes de fazer uns pelos outros. Bom fim de mundo pra você. E um grande reinício para todos.